6 de abril de 2015

BAR 006

(Invejinha branca) Imagine você ir para a Estônia só para dar umas voltinhas num Formula 1 que foi pilotado pelo Janson Button... Foi o que grande Charles Schweitzer fez. E se eu pudesse faria a mesma coisa!
Foi ele quem encomendou essa miniatura da BAR, que customizei com as logomarcas e todos os detalhes do carro que ele pilotou no circuito de Auto24Ring. Legal ver alguém realizar um sonho desse. Segue as fotos do bichinho:


Editado: Muito gentilmente o Charles me mandou o relato de como ele foi parar na Estônia e como foi pilotar um carro de Formula 1.

"Estava tudo certo para realizar uma viagem a trabalho em Maio de 2014 para a Itália. Como desta vez iria sozinho, havia uma possibilidade maior de me meter em alguma roubada para realizar o sonho de pilotar um F1.

O Google trabalhou como nunca. Encontrei uma agência capaz de fazer isso na Itália, mas com preço e logística bastante complicada. Depois havia a chance de fazer na França, mas com preços igualmente salgados. Até que por fim, descobri uma empresa administrada por um piloto Sueco chamado Johan Rajamäki com um staff operacional Finlandês cujos preços e logística eram bem mais convidativos.

A Rajamaki Racing Experience leva seu circo a diversos circuitos dentro da Europa. Alguns bastante famosos como Andesrtorp ou Hungaroring e outros bastante desconhecidos do grande público como o Auto24Ring na Estônia, local onde viria a fazer minha experiência para poder combinar as datas.

Fui extremamente bem recebido e muito bem tratado por todos. O grupo que integrava minha experiência era majoritariamente de finlandeses. Um pessoal muito simpático, acolhedor e que adora umas bebidas (este é um capítulo à parte).

A experiência começou com um café da manhã de boas-vindas. Fomos apresentados aos equipamentos de segurança e escolhemos nossos capacetes, luvas e macacões. Seguimos então para um briefing técnico sobre o Fórmula Renault, nosso primeiro contato com um monoposto e que serviria de escola para pilotarmos o F1.

O carro usado na F-Renault é bastante arisco. E, o câmbio manual não facilita em nada também. A aceleração é em coices e o carro sai bastante nas freadas.

No briefing fomos orientados a nos tratar como lordes dentro da pista, ou seja, em caso de ultrapassagens, deveríamos simplesmente ceder a posição, especialmente sobre condições de bandeira azul.

Fiz quase uma volta completa atrás de um amigo Finlandês e, não aguentei mais... Fui para cima. Peguei o vácuo, tirei de lado, fritei tudo e realizei uma ultrapassagem sensacional. Pena que dei o pé cedo demais e rodei. Mas, eu repetiria a manobra se tivesse outra chance! Foi de arrepiar!

Os responsáveis logo viram que eu tinha o pé mais pesado que a média ou um parafuso a menos que a média e me encaixaram em outro grupo na hora de pilotar o F1. Confesso que quase não vi relação entre o F1 e o F-Renault. A estabilidade e a frenagem são de outro mundo. O “medo” inicial vai dando lugar à confiança e, você vai ficando mais rápido a cada volta. Foram 5 no total.

Cinco voltas não é pouco? Pode ser. Eu, certamente conseguiria andar mais duas voltas e, cada vez mais rápido, mas eventualmente atingiria meu limite e, isso pode não ser muito bom com um F1 “alugado”. Fato é que mesmo tendo pilotado somente 5 voltas, eu senti dores musculares por 2 dias. E, isto que fisicamente falando estou em dia, pois pratico triathlon. Dá para ter uma noção do quão bem preparado são os pilotos profissionais.

Em suma, realizei um sonho e a sensação beira o indescritível, mas sempre que posso, gosto de tentar, com detalhes. Dizem, no entanto que imagens falam mais do que palavras, então, este vídeo, resume bem o que foi a experiência."
















Download do modelo original, clique aqui.

Um comentário:

Charles Henrique Schweitzer disse...

Muito ansioso para receber essa miniatura Daniel! As fotos ficaram bárbaras!